Advertisement

MICROAGULHAMENTO E SEGURANÇA NA CABINE DO PROFISSIONAL DE ESTÉTICA

MICROAGULHAMENTO E SEGURANÇA NA CABINE DO PROFISSIONAL DE ESTÉTICA

Por Jefferson Assandre de Assis

Acredito que nos últimos cinco anos o assunto de maior destaque na estética, foi a chegada com amparo científico do microagulhamento para a estética brasileira. Como também a entrada para o uso na estética feita pelo próprio profissional da estética.

Se levarmos em consideração, que o equipamento se trata de uma técnica minimamente invasiva, podemos sim ter esse auxilio dentro do arsenal terapêutico, assim como outras técnicas que envolve agulhas.

Mas sejamos honestos, o que é comum vermos a respeito do microagulhamento?

A falta de conhecimento!

Assim, como um equipamento de última geração precisa de todo um estudo, amparo e domínio da ferramenta, com o microagulhamento não é diferente.

No entanto, vemos diversas opiniões, ou até melhor, achismos sobre a técnica e pouca cientificidade acerca da mesma.

Microagulhamento (Indução Percutânea de Colágeno)

microagulhamento

A literatura centrou-se sua atenção pela “nova” técnica de indução percutânea de colágeno, como é conhecida no meio científico, devido a um grande diferencial frente a outras técnicas, ablativas ou não, sua segurança associada a efetividade. (FERNANDES, 2005)

Sim pessoal, o microagulhamento não é mágica e não é apenas destaque porque induz colágeno, mas porque é seguro e promove resultados com mínimos efeitos adversos. E foi exatamente isso que chamou a atenção da comunidade científica. Como promover resultado de forma efetiva, segura e com mínimo de risco frente aos efeitos adversos e complicações futuras? E ainda ser eficaz para os diferentes fototipos (tons de pele) e diferentes biótipos (tipos de pele)? E foi na técnica de microagulhamento que o mundo científico encontrou essa resposta. (FABBROCINI, 2014)

Quando nos deparamos com uma ferramenta contendo diversas microagulhas, devemos ter em mente dois pensamentos fundamentais: biossegurança e bom senso!

E enfatizando o bom senso, o profissional da estética deve centrar sua atenção sobre isso atuando conforme sua capacitação e competência profissional. E por se tratar de uma técnica que envolve agulhas, o menos é mais!

Refletir a respeito dessa intrigante dúvida, que tem levantado diversas discussões entre os profissionais: precisamos mesmo promover sangramento? Não destaco os benefícios do sangue, mas neste caso, o preparo em termos de biossegurança e capacitação do profissional para lidar com algum processo inflamatório que foge do seu controle.

Pois bem, de forma resumida: quanto mais sangue exposto, maior a lesão promovida pela agulha, o que gera um processo inflamatório intenso ou de “alta”, levando a maiores chances de contaminação (será que tenho um ambiente preparado para isso?) como consequência aumenta o tempo do reparo tecidual, aumentando a probabilidade de complicações futuras e resultados insatisfatórios.

microagulhamento

 

O nosso diferencial, é andar na linha da segurança e respeitar a biossegurança e capacitação para atuar com equipamentos estéticos contendo agulhas. Devido à falta de reconhecimento da classe perante as autoridades do país e um conselho próprio, ficamos à mercê do nossa consciência e conhecimento operacional.

Voltando a falar do microagulhamento e já que o assunto é a cabine do profissional de estética, vale lembrar, que a técnica pode ser inserida em combinações com diversos tratamentos, que por sinal, nem sempre requerem a indução de colágeno, mas sim, apenas uma entrega facilitada de princípios ativos.

Sabe aqueles protocolos de iluminação, revitalização e hidratação? Já imaginou quando associado de forma correta com o microagulhamento, são ótimas pedidas para favorecer e incrementar o resultado.

Estudando, o profissional consegue ir além e oferecer protocolos personalizados para atender diferentes queixas.

Espero que tenham gostado!

Para manter contato:

Facebook: Jefferson Assandre de Assis

 

REFERÊNCIAS DO ARTIGO

Fernandes, D.Minimally Invasive Percutaneous Collagen Induction. Oral Maxillofacial Surg Clin N Am 17 (2005) 51-63.

Fabbrocini, G., De Vita, V., Monfrecola, A. et al. Percutaneous collagen induction: an effective and safe treatment for post-acne scarring in different skin phototypes. J Dermatol Treat. 2014; 25:147-152.

<<< OLÁ, DEIXE O SEU COMENTÁRIO >>>

Comentários

Advertisement

SOBRE O AUTOR

Jefferson Assandre

Prof. Esp. Jefferson Assandre de Assis -Pós-graduado em Cosmetologia Avançada aplicada a Estética UNIARA/SP. -Tecnólogo em Cosmetologia e Estética pela UNIARA/SP. -Professor técnico na UNIARA/SP -Professor técnico de empresas de dermocosméticos. -Colunista do Programa Estética na TV, Portal Esteticistas, Revista Bem Estética e Mundo Estética.

RECEBA GRATUITAMENTE FICHAS DE ANAMNESE

RECEBA GRATUITAMENTE FICHAS DE ANAMNESE

Receba gratuitamente em seu E-MAIL modelos de FICHAS DE ANAMNESE, AVALIAÇÃO CORPORAL E FACIAL!



Cadastro Realizado Com Sucesso

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe To Our Newsletter

Join our mailing list to receive the latest news and updates from our team.

1ª Maratona Online de Estética
ACESSAR MARATONA

You have Successfully Subscribed!